|

Pessoas conectadas nos últimos 20 minutos: 82 { professores: 1 | usuários com coleções públicas: 0 }

Educadores
Cadastre-se para registrar os seus relatos de experiência com o uso de curtas-metragens em salas de aula e concorrer a prêmios para você e sua escola.

O uso de diferentes linguagens nos eixos da representação simbólica


Plano de Aula do Filme Clandestina Felicidade | Ficção | De Beto Normal, Marcelo Gomes | 1998 | 15 min | PE


Meu Deus do céu, não tenho nada a dizer. O som de minha máquina é macio... Que é que eu posso escrever? Como começar a anotar frases? A palavra é o meu meio de comunicação. Eu só poderia amá-la. Eu jogo com elas como se lançam dados: acaso e fatalidade - a palavra é tão forte que atravessa a barreira do som. Cada palavra é uma idéia. Cada palavra materializa o espírito. Quanto mais palavras eu conheço, mais sou capaz de pensar o meu sentimento Sentimentos como este marcaram a vida e a obra de Clarice Lispector.
Nascida na Ucrânia, em 10 de dezembro de 1920, Clarice veio para o Brasil com pouco mais de um ano. Seu nome verdadeiro era Haia, terceira filha de Pinkouss e de Mania Lispector. Por iniciativa de seu pai, à exceção de sua irmã Tânia, todos mudaram de nome: o pai passa a se chamar Pedro Mania, Marieta Leia, Elisa e Haia, Clarice.
Em meio a uma vida simples e com muitas privações sua mãe morre em 1930 e foi nesse período que ela começa escrever historinhas para a página de composições infantis do Diário de Pernambuco. Todas elas foram recusadas, pois suas histórias não tinham enredo e fatos, eram compostas apenas por sensações.
Em 1934, muda-se com a família para o Rio de Janeiro e em 1939 inicia seus estudos na Faculdade Nacional de Direito. No ano seguinte consegue um emprego de tradutora no Departamento de Imprensa e Propaganda - DIP. Como não havia vaga para esse trabalho, ela ganha o lugar de redatora e repórter da Agência Nacional tendo início assim sua carreira de jornalista.
Clarice escreveu muitas reportagens e também textos literários que culminam, em 1943, com o lançamento do seu primeiro livro, "Perto do coração selvagem" que, provocou sensação nos leitores. Nesse mesmo ano ela casa-se com Maury Gurgel Valente, que ingressa na carreira diplomática. Por esse motivo viaja para muitos paises conhecendo histórias e culturas diferentes, porém sempre sentindo falta dos amigos e parentes.
Clarice teve dois filhos Pedro e Paulo e escreveu colunas jornalísticas e crônicas para mulheres em muitos jornais. Faleceu no Rio de Janeiro, no dia 9 de dezembro de 1977, um dia antes de seu aniversário. Sua atualidade é comprovada pelas contínuas reedições de seus livros e as muitas adaptações de seus textos para o cinema, o teatro e outros meios de comunicação. A autora deixou um legado de 26 livros, traduzidos em 15 línguas.
"Não te escrevi sobre o teu livro de contos "Laços de Família" por puro encabulamento de te dizer o que penso dele. Aqui vai: é a mais importante coleção de histórias publicadas neste país na era pós-machadiana." Érico Veríssimo, escritor.
O curta "Clandestina Felicidade" conta a história de Clarice, que mora no Recife junto com a família, após ter imigrado da Ucrânia. A mãe da menina fica muito doente e a família contrata uma cozinheira- Macabea, para ajudar nos trabalhos da casa. A menina gosta muito de ler e escrever e em seu cotidiano conversa com as galinhas entre outros bichos...Em um determinado momento da trama a amiga Reveca ganha o livro de Monteiro Lobato "Reinações de Narizinho". Clarice tem o desejo de ler o livro e o pede emprestado à amiga que se compromete a fazê-lo após lê-lo, a partir daí desenvolve-se uma trama na qual a amiga sempre protela o empréstimo. A mãe de Clarice morre e o pai decide que a família
vai mudar-se para o Rio de Janeiro. Nesse momento Clarice se vê movida pelo desespero e vai procurar a amiga para conseguir o livro emprestado. Lá ela se encontra com a mãe da menina que fica sabendo da história e das armações da filha em relação ao livro que nunca havia saído da casa e sequer havia sido lido. A mãe de Reveca autoriza Clarice a pegar não só aquele livro, mas todos os que ela quiser. Clarice vê realizado o seu desejo e vive uma Clandestina Felicidade.
A nossa sugestão de atividade pedagógica com o uso do filme Clandestina Felicidade visa o uso de diferentes linguagens nos eixos da representação simbólica - expressão, comunicação e informação, bem como, a identificação de diferentes gêneros da literatura. Para tal, a nossa proposta é trabalhar com ferramentas tecnológicas, despertando nos alunos o interesse pelo estudo de importantes autores por meio de uma linguagem apropriada à geração atual. O desafio é trabalhar com a integração de tecnologias em projetos pedagógicos participativos, mas sem perder de vista que é importante a participação ativa tanto do professor quanto do aluno nesse processo. A ordem é compartilhar e colaborar.




Objetivos
 Propiciar a leitura de imagens
 Favorecer a percepção sobre as seqüências e tipos no interior dos gêneros
 Usar diferentes linguagens nos eixos da representação simbólica - expressão, comunicação e informação
 Identificar gêneros da literatura
 Desenvolver a expressão escrita ao exercitar a construção de texto, seus elementos e gêneros
 Desenvolver a criação de textos de forma colaborativa
 Desenvolver o trabalho em conjunto
 Compreender o que é um cordel e o que ele representa.

Situação Didática
O trabalho tem início com a apresentação do filme "Clandestina Felicidade" seguido do levantamento entre os alunos de coisas que eles desejaram possuir e conseguiram ou não seu intento (quais foram os seus objetos de desejo). A idéia central para elaboração do Cordel é partir de um conjunto de experiência de vida apresentadas pelos alunos - os seus desejos, e que depois irão tomar forma na vida dos personagens que serão criados pelos grupos. Assim como Clarice fazia, os alunos podem criar personagens humanos ou não, pois a idéia principal do projeto é trabalhar com os sentimentos, isto é, estabelecer uma sintonia entre os sentimentos expressos pela autora e os sentimentos dos alunos. A atividade visa estabelecer um trabalho colaborativo que envolva os alunos nas historias de cada colega ultrapassando a realidade e conseguindo, com a ajuda da imaginação, da fantasia e da Arte dar vida aos personagens que irão representar conjunto de sentimentos e sensações, os quais, no decorrer da historia a ser criada farão uma ponte para que possam criar um movimento entre o imaginário e a realidade e vice-versa por meio da criação de Cordel. Tarefa essa que foi realizada por Clarice Lispector por toda a sua vida, dando nome aos bichos e os transformando em seus amigos, por exemplo.

O Cordel:
O Cordel pode ser considerado uma poesia narrativa, popular, impressa. Para alguns escritores de cordel ele é:

Literatura de Cordel
É poesia popular,
É história contada em versos
Em estrofes a rimar,
Escrita em papel comum
Feita pra ler ou cantar.

De acordo com Joseph Maria Luyten em seu livro "O Que é Literatura de Cordel", o gênero sofreu mudanças consideráveis nos últimos anos.

"Antigamente, a poesia popular era praticamente o único veículo de informação e formação de vastas camadas populacionais do interior do Brasil, notadamente do Nordeste. Era portadora de anseios de paz, de tradição e veículo único de lazer e informação. Hoje, ela é portadora, entre outras coisas, de reivindicação de cunho social e político. Não somente para os nordestinos e descendentes, mas para todos os habitantes do Brasil", afirma o autor.

Pesquisar e discutir:
 O que é um cordel?
 O que é ser um herói?
 Quais sentimentos e sensações devem estar presentes no herói?
 Qual personagem poderia desafiar o herói? Quais os sentimentos e desejos ele precisaria ter para conseguir fazer o desafio?

Para se criar o Cordel:
Após formar os grupos de trabalho, o professor deverá orientar os alunos para:
1. Levantar o tema e a abordagem que será dada à produção
2. Escolher os heróis que serão os desafiados, tentando pontuar quais os sentimentos e desejos de cada um. É importante que o grupo de alunos se identifique com a personagem
3. Escolher os desafiantes, tentando também pontuar seus sentimentos e desejos
4. Delinear o fio condutor para desenvolver o desafio de acordo com o tema selecionado
5. Pesquisar sobre o assunto em diversas fontes (livros, revistas, jornais e Internet)
6. Escrever um roteiro de trabalho que deverá ser amplamente analisado e reelaborado pelo grupo
7. Planejar a elaboração do Cordel destacando as características, os sentimentos e os desejos que o grupo julgar mais importante imprimir ao personagem
8. Escrever a primeira versão do Cordel
9. Submeter à apreciação e análise de todos os participantes
10. A partir das observações do grupo escrever a versão final.

O que será necessário para o trabalho
 Familiarização com as ferramentas das tecnologias de informação e comunicação necessárias ao projeto virtual (editor de texto, Internet, wiki etc)
 Organização dos grupos de trabalho para a escrita colaborativa
 Escolha da abordagem de acordo com o tema escolhido
 Desenvolvimento de competências lingüísticas necessárias ao cumprimento da tarefa: através da leitura de cordéis e identificação de suas principais características
 Registro das suas idéias e elaboração dos esboços dos textos que irão compor o cordel
 Escolha das imagens (xilogravuras) para ilustrar o Cordel, normalmente direcionadas ao mote da história (a idéia principal do texto)
 Os professores acompanham o trabalho dos alunos, dão orientação ao longo de todo o processo e ajudam-nos a lidar com os desafios da escrita colaborativa no gênero.

O Trabalho colaborativo:
1. O grupo deverá assistir conjuntamente o curta "Clandestina Felicidade" e, após a apresentação, discutir as mensagens e os sentimentos que são apresentados na produção. O aluno, estimulado pelo professor poderá ler alguns textos de Clarice Lispector.
2. Em seguida, solicita-se que os alunos contem suas histórias destacando sempre, que a proposta da atividade é falar dos desejos ocultos concretizados ou não.
3. A partir das histórias serão escolhidos dois personagens - o herói regional e o desafiante e serão escolhidos também os desejos e os sentimentos que serão trabalhados na história.
4. Nesse ponto os alunos começarão a escrita colaborativa que será realizada no wiki ou caso não se tenha computador com acesso a Internet na escola, poderá acontecer utilizando-se painéis de papel ou mesmo os próprios cadernos (nesse caso será necessário criar a figura de um organizador para a publicação, que será o aluno que irá anotar as seqüências para que ao final as mesmas possam ser organizadas).
5. É importante conhecer quais são as características de um cordel tradicional , para que estas possam ser reproduzidas, principalmente na versão impressa.
6. Os alunos apresentam a primeira versão que será discutida e reescrita, quando necessário até chegar ao produto final
7. Ilustrar o Cordel através de técnicas que lembrem xilogravura
8. Marcar um dia para o lançamento do Cordel na escola. Como a leitura do Cordel pode ser cantada os alunos poderão acompanhar a apresentação com vários instrumentos musicais como: violão, flauta, pandeiro etc


Comentários
Características do Cordel Tradicional:
1. Oito páginas - numeradas (excluindo-se a capa), feitas a partir de uma folha de papel jornal tamanho ofício.
2. 28 a 32 estrofes.
3. Na página 1, deverão aparecer TÍTULO e AUTOR, além de 2,3 ou 4 estrofes.
4. Nas páginas de 2 a 7, deverão aparecer 4 estrofes.
5. Na página 8, deverão aparecer a palavra "FIM" (se a história for encerrada) e a data da elaboração do Cordel.
6. Cada estrofe é composta por seis versos (sextilha) e cada um deve possuir sete sílabas métricas (redondilha maior).
7. A estrofe deve possuir rima ABCBDB (2º, 4º e 6º versos rimando) .
8. Na capa deverão aparecer: TÍTULO, AUTOR e xilogravura - desenho feito a partir de talha em madeira
9. Na contra-capa, há a propaganda de um patrocinador - levando-se em conta que o cordelista é possuidor de poucos recursos.
10. A capa geralmente é feita com papel colorido - muito comum nas mercearias para enrolar pães e outros produtos.

A Escrita Colaborativa com o uso de Wiki
Wiki é um sistema que permite criar e editar conjuntamente conteúdos. Um wiki permite que várias pessoas, mesmo que geograficamente distantes, trabalhem em um mesmo texto. Não há uma hierarquia pré-estabelecida entre autores por esse motivo qualquer usuário pode adicionar conteúdos e também editar os conteúdos inseridos por outras pessoas.
Além do direito ilimitado de edição, a vantagem de um wiki é a possibilidade de trabalhar em um documento sem a necessidade de baixá-lo para o computador, editar e enviar novamente. Tudo é realizado on-line na internet. O sistema controla todas as alterações, que ficam gravadas em um histórico. Desta forma, é possível retornar a uma versão anterior ou recuperar algo que foi excluído por engano. O exemplo mais conhecido de utilização de um wiki é a wikipedia.
A utilização de wikis em atividades pedagógicas desenvolve a reflexão e a autonomia do aluno, o trabalho cooperativo e também a constituição de redes sociais. O endereço na internet para a criação de um espaço wiki é http://www.wikispaces.com
A seguir apresentamos algumas dicas para você compreender melhor o espaço wiki e também algumas dicas para montar um espaço wiki:

O Wikispaces
1. Um wikispace é um espaço onde você pode criar páginas sobre um tema em particular. Cada espaço pode ter várias páginas, arquivos e imagens.
2. Wikispaces oferece três tipos de espaço: público (pode ser visto e editado por qualquer pessoa), protegido (pode ser visto por qualquer um, porém, só pode ser editado pelos membros do espaço) e privado (só pode ser visto e editado por membros do espaço.).
3. O wikispaces oferece recursos básicos como mudança de cores, colocação de logotipo, inserção de imagem , basta procurar o passo-a-passo no help do próprio espaço.
4. O wikispaces permite insirir links para blogs, fotoblogs, sites etc.

Alguns sites sobre cordéis:
ABRALI - http://www.abrali.com/020cordel_index.html
Academia Brasileira de Literatura de Cordel - http://www.ablc.com.br/
Banco do Cordel - www.secrel.com.br/jpoesia/cordel.html
Fundação Joaquim Nabuco - http://www.fundaj.gov.br/docs/pe/pe0017.html
Literatura de Cordel - http://literaturadecordel.vilabol.uol.com.br/